Entendendo a CIF - Classificação Internacional de Funcionalidade

A tão mencionada CIF ou Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde, é uma ferramenta para descrição e organização de informações sobre a funcionalidade e a incapacidade, fornecendo uma linguagem padrão, com uma base conceitual para a definição e a classificação da saúde e da incapacidade.

A CIF foi aprovada para uso pela Organização Mundial de Saúde (OMS) no ano de 2001, após vários testes realizados em todo o mundo, envolvendo pessoas com diversos tipos de incapacidades e profissionais de áreas relevantes.

Segundo a OMS, os objetivos da CIF são: fornecer uma base científica para compreender e estudar a saúde e estados relacionados, os resultados de intervenções, determinantes e alterações no nível de saúde e funcionalidade.

É interessante destacar que a CIF não é um instrumento de avaliação, são os resultados dos instrumentos (como questionários, testes e etc.) que são classificáveis pela CIF.

Ela segue um modelo biopsicossocial, que abrange não só a incapacidade, como o contexto onde ela se insere, tocando as dimensões biológica, patológica, ambiental, cultural e social. E, apesar de não serem classificados nem na CID (Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde) nem na CIF,

os Fatores Pessoais devem ser considerados ao realizar a classificação.

 A CIF é regida por 4 princípios gerais:

1 - Universalidade: aplicável a todas as pessoas.
2 - Paridade e Neutralidade etiológica: a incapacidade não é diferenciada por etiologia.
3 - Neutralidade: as definições de domínio são escritas em linguagem neutra.
4 - Influência Ambiental:  reconhece o papel importante do ambiente na funcionalidade das pessoas e esses fatores variam de físicos (ex.: clima) a sociais (ex.: atitudes).

A atual classificação da CIF apresenta um total de 6 componentes, sendo que os dois primeiros da lista abaixo não são codificados por ela.

Condição de Saúde (CID)
Fatores Pessoais (contexto a considerar)
Funções do Corpo (referente à fisiologia)
Estruturas do Corpo (referente à anatomia)
Atividades e Participação (referente à ações - individuais/em conjunto)
Fatores Ambientais (contexto físico, social e etc.)

Cada componente classificável recebeu uma letra minúscula correspondente, para que os códigos não sejam confundidos com os da CID. Cada letra está ligada ao nome do seu componente em inglês.

ody functions - Funções do Corpo
tructures - Estruturas do Corpo
omain - Atividades e Participação (Domínio)
nviroment - Fatores Ambientais (Ambiente)

Dados os componentes, surgem os primeiros números da classificação, que são as categorias. Exemplo:

b1 - Componente b = Funções do Corpo / Categoria 1 = Funções Mentais
s1 - Componente s = Estruturas do Corpo / Categoria 1 = Estruturas do Sistema Nervoso

É importante destacar que essas duas classificações (Funções e Estruturas) foram concebidas para serem utilizadas em paralelo. Por exemplo, as “funções da voz e fala” (b3) estão associadas às estruturas correspondentes, que aparecem na forma de ”estruturas relacionadas com a voz e fala” (s3).

Mais exemplos de categorias:

s75012 - músculos da perna
d450 - andar
e3 - apoio e relacionamentos

Outro detalhe importante é que alguns profissionais usam apenas o d (domain) para caracterizar Atividades e Participação em conjunto, mas também é possível fazê-las de modo separado:

a ctivities - Atividades
p articipation - Participação
d omain - Domínio = Atividades + Participação

Para que as categorias signifiquem algo real, ou seja, para que "digam algo sobre uma pessoa", elas precisam ser transformadas em código. Os códigos da CIF são formados pela categoria + os qualificadores. Os qualificadores indicam a Magnitude ou Gravidade de um problema, a Topografia e Natureza de uma lesão, o Desempenho e a Capacidade de realizar determinada atividade, como também indicar os Facilitadores e Barreiras do ambiente. Logo,

os Qualificadores dão significado à Categoria
Código = Categoria + Qualificadores

Esses qualificadores são números que aparecem no código após um ponto (.) ou sinal de mais (+). Exemplo: d510.24. Os números utilizados nos qualificadores de Funções do Corpo, Atividade e Participação e Fatores Ambientais são: 0 - 1 - 2 - 3 - 4 - 8 - 9.

0 - normal (sem alteração)
12 e 3 - escala (Ligeira, Moderada e Grave)
4 - alteração completa
8 - não especificada
9 - não aplicável

Já o componente de Estruturas do Corpo, possui uma maior quantidade de números para poder definir a Natureza e a Topografia (Localização) de um problema/lesão.

0 - normal (sem alteração)
12 e 3 - escala (Ligeira, Moderada e Grave)
4 - alteração completa
5, 6 e 7 - caracteríscia
8 - não especificada
9 - não aplicável

Lembrando que existe uma legenda específica na CIF para os qualificadores de Natureza e Topografia, presente no Anexo 2 da CIF.

Quanto mais números no código do componente, maior a profundidade da referência. Quanto mais níveis, mais detalhes. Exemplo:

b2 Funções sensoriais e dor (item do primeiro nível)
b210 Funções visuais (item do segundo nível)
b2102 Qualidade da visão (item do terceiro nível)
b21022 Sensibilidade ao contraste (item do quarto nível) 

Para entender o resumo que farei abaixo, usem a seguinte legenda:

M - Magnitude
N - Natureza
T - Topografia
D - Desempenho
C - Capacidade
F - Facilitador
B - Barreira
b, s, d, e - Componentes
_ _ _ - Categoria

[ Essa legenda não tem relação alguma com a CIF! É apenas uma maneira didática que criei para ajudá-los a entender o que significa cada número num código da CIF. ]

Resumo do uso dos qualificadores:


b_ _ _. M
s_ _ _. M N T
d _ _ _. D C
e _ _ _ + F
e _ _ _. B

Peculiaridades dos qualificadores:

1) No componente de domínio (Atividades + Participação), há dois qualificadores: Desempenho e Capacidade. O Desempenho considera os fatores ambientais, ou seja, se existem dispositivos (recursos, etc.) que facilitam a ação, promovendo aquele nível de desempenho. Já a Capacidade, não considera o ambiente, ela analisa a Capacidade do avaliado de realizar a atividade sem recursos auxiliares. Logo, os níveis de Desempenho e Capacidade podem ser diferentes para um mesmo indivíduo.

2) Há uma ordem para a colocação dos qualificadores. Como apontado no resumo acima, no componente Estruturas, a Magnitude vem antes da Natureza e a Topografia vem por último. Em Atividades e Participação, o Desempenho vem antes da Capacidade.

3) O componente de Fatores Ambientais tem dois "sinais" antes dos qualificadores: o ponto (.) e o mais (+). Atenção para a regra: Depois do sinal de mais (+) sempre virá o Facilitador. Depois do ponto (.) é qualificada a Barreira.

e _ _ _ + Facilitador
e _ _ _ . Barreira

Pontos importantes:

- O objeto de estudo da CIF é a situação das pessoas, não o indivíduo em si.
- O Anexo 1 da CIF aborda Questões de taxonomia e de terminologia.
- O Anexo 2 é o Guia para a codificação da CIF.
- O Anexo 3 discorre sobre outras possibilidades para "d" (a separação do componente em "a" e "p" como mostrado anteriormente).
- O Anexo 4 contém diversos exemplos de casos que descrevem as aplicações dos conceitos da CIF.



___________________________________________________________________________________________________________


Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.